UMA QUESTÃO DE SAÚDE PÚBLICA

Vivemos realmente a época da Constituição cidadã?                                                   

As trevas da Saúde Pública do Rio Grande do Norte não foram iluminadas pelos feéricos  refletores da Arenas das Dunas.

Durante trezentos e sessenta e cinco dias, durante 24 horas, quatro Anestesiologistas  de Mossoró, estiveram presentes na CSDR ( um ) , Hospital da Mulher de Mossoró ( um )  e Hospital Regional Tarcisio Maia( 2 ) , preparados tecnicamente para atender as situações mais críticas e imagináveis, com zelo e muita responsabilidade. Formação acadêmica de alto nível.  Competência é uma palavra adequada para qualificar este trabalho.

Fomos aos poucos nos acostumando com informações inverídicas e ofensivas através de ignóbeis ,  todavia, o anestesiologista é comprometido com os seus pacientes.

 Em alguns hospitais são precárias as condições de trabalho. A palavra é indignação como Anestesiologista e como cidadão. Não “ conhecemos “ as razões políticas de tanto descaso com a saúde de Mossoró. Moramos aqui, os problemas acontecem aqui e os pacientes morrem aqui.

Políticos se engafiam na camarilha para ter mais poder e outros ( não são todos evidentemente ) tentam uma suruba partidária:  Arena+PMDB, XPTE+PVG, DEN+PPT.

O Ministério Público ainda não informou a População quem foi o elo de ligação de Mossoró com os salafrários da Associação Marcas  e afins. Vocês lembram dos discursos no dia da inauguração do Hospital da Mulher?? Foi tão lindo, emocionante!

Faremos aqui um breve “ relato” sobre atendimento hospitalar , mas antes queremos  tornar público que existe forte possibilidade  de PARALISAÇÃO DE TODOS OS ANESTESIOLOGISTAS DE MOSSORÓ nos seguintes hospitais: Casa de Saúde Dix-Sept Rosado, Hospital da Mulher de Mossoró, Centro de Oncologia e Hospital Regional Tarcisio Maia. A paralisação envolve cirurgias eletivas e também os plantões. Alguém pode avaliar a IMPORTÂNCIA DO NOSSO TRABALHO??? Pela atenção dispensada a estes profissionais, este trabalho não é essencial.

Menosprezo total à Saúde. Isso também vai passar!?? Não estamos construindo e nem avançando.

Reivindicamos pontos cruciais para a boa prática da anestesia em Mossoró.

CASA DE SAÚDE DIX-SEPT ROSADO

“A Obstetrícia reflete o grau de civilização e moral de um povo , pois revela o zelo que se tributa à mãe e ao futuro cidadão, finalidade suprema da política social de todos os tempos “

A história da Maternidade Almeida Castro faz parte da História da Medicina deste Estado, todavia, a entidade dia a dia apresenta novas deficiências. Não cabe aqui analisar fatores ou causa, mas o fato é que essa degradação influencia no padrão do  trabalho do anestesiologista. Essa Maternidade é uma das mais importantes do Estado. São aproximadamente 500 partos/mês. Partos vaginais e cesareanas.

Alguém sabe explicar como será o atendimento desta maternidade com a implantação de um TETO FINANCEIRO. O parto não pode esperar. O SUS é Único e Universal,  do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Vamos imaginar a seguinte situação: a parturiente chega a  maternidade procedente de São Francisco do Oeste( RN )  e o anestesiologista explica ao esposo da parturiente “ a maternidade já alcançou o teto financeiro ontem, de modo que o senhor vai levar  a paciente para Russas que lá tem ( um gestor da saúde de  Mossoró que faz convênio com Russas dever latir mesmo  = latir ) ou consiga uma ambulância ( do SAMU não ) para transferir para Natal. O gestor da Saúde  é que deve ficar na porta da Maternidade repassando a fatal informação. Eu recordo que os médicos fizeram o JURAMENTO mas trabalhar sem remuneração  é filantropia em dose letal. Não pode!!!!!

O material e equipamento disponibilizado para uso em anestesia necessita de renovação, substituição. A situação chega ao limite e há necessidade de um esforço conjunto envolvendo  GESTORES DA SAÚDE, anestesiologistas, diretoria técnica, etc, etc.

Não há nenhuma preocupação com o trabalho do anestesiologista. Essa relação necessita urgentemente ser transformada, modificada. Deve existir, no mínimo, por parte dos diretores, uma atenção muito, muito especial aos que integram a principal sustentação de todos os atendimentos obstétricos -  O anestesiologista. Senhores, o nosso trabalho tem valor.

A CSDR não tem nenhum funcionário anestesiologista.

O CALOTE INSTITUCIONAL se estende desde maio/2013. Esse calote oficial impossibilita o nosso trabalho . Anestesiologista tem metas, tem família, necessidades, etc, etc. Esse tratamento desrespeitoso e cruel merece uma resposta imediata. Hoje acreditamos que a saúde não é nenhuma prioridade. Misturaram politicalha, Saúde Pública e a morte de centenas de pacientes.

O vínculo laboral da CAM com esta instituição é através de um contrato com o  Município. As cláusulas contratuais já foram  esfaceladas. Nenhuma categoria profissional aceita passivamente esta “ sacanagem “. Só existem deveres e obrigações.  Será que o salário da Super Excelência Evangélica Dilermano,vai atrasar? Será que esta nauseante autoridade   tem auxilio paletó, recesso, licença prêmio, ponto digital, câmeras filmando a intimidade do gabinete ou quem sabe uma aposentadoria miserável???

Na Gestão Plena  a responsabilidade do atendimento obstétrico   é do Estado ou do Município.  E aonde deve ser atendida a parturiente de Zé da Penha ?  Em Mossoró ou Natal? Fico a imaginar uma maternidade em Zé da Penha com Anestesiologista, dois obstetras, um neonatologista e um pediatra...e uma UTI neonatal.

O nosso trabalho salva vidas!!!

Provavelmente sem anestesiologista de plantão após o dia 15 de janeiro de 2014.

HOSPITAL DA MULHER DE MOSSORÓ

Aqui também um anestesiologista atende com competência, preparo técnico, e responsabilidade todas as situações críticas e dramáticas da obstetrícia. Nesta Maternidade incluímos, por mais estranho que pareça, o predicado HONESTIDADE nas credenciais dos anestesiologistas.

Até bem pouco tempo a situação não era assim. A equipe anterior (da administração Marcas e Afins) bem mais prestigiada e bem mais “caríssima“ foi  selecionada observando apenas  O ALVARÁ DE FOLHA CORRIDA.

A triste e vergonhosa história desta Maternidade não foi fundamentada nos bons princípios  éticos e morais. E até AGORA AINDA NÃO SABEMOS QUEM, EM MOSSORÓ, REPRESENTOU OS FORTES ELOS DE LIGAÇÃO ENTRE O MUNICÍPIO DE MOSSORÓ e as Associações Marcas e Afins. Alguém foi punido? E aqueles milhões licitados já foram encontrados?

Esta pequena Maternidade nunca foi e nem será a LUZ para as gestantes de Mossoró.

Noventa dias sem receber honorários é revoltante. Alcançamos o limite. Por que isso é assim com os anestesiologistas. É por que não doe ??? A intervenção ( Dr. Marcondes ) já faz muita falta.

Até o presente momento não existe um contrato que assegure direitos. Existe um prazo inaceitável e injustificado no tocante a ausência de pagamento de honorários dos anestesiologistas. Parece que esta questão também não é prioridade. Há uma inversão de valores em vários aspectos neste Estado. Uma espécie de desorganização organizada do Alto Oeste a Capital.

Senhores, a próspera Mossoró merece um projeto futurístico de uma Maternidade programada para o atendimento com dignidade das mulheres de Mossoró para os próximos 20 anos. Todavia, a incompetência é tão alarmante , que o projeto não existe nem mesmo no papel . Mossoró já teve prefeita Médica, Enfermeira, etc, etc.

Provavelmente sem plantonista da Anestesiologia após o dia 15 de janeiro de 2014.

HOSPITAL REGIONAL TARCISIO MAIA

Maior e mais importante Hospital de Mossoró.

Nenhum segmento da sociedade faz nenhuma campanha em benefício deste hospital. Nem um chá!! A grandiosidade deste hospital supera todos os outros hospitais de Mossoró. Esta entidade pede socorro e deveria ser mais bem amparada pelas autoridades,  políticos,  gestores da saúde e até pelo bispo.

São apenas 8 ( oito ) servidores públicos com a função de médico anestesiologista. E ainda temos orgulho de ser plantonista deste hospital.  Até o mês de junho três receberão o beneficio da aposentadoria por tempo de serviço. É uma sobrecarga de trabalho  muito grande. As situações são extremamente estressantes. Um clima grande de tensão, emoções, riscos iminentes da morte diuturnamente.

Não há nenhuma previsão de concurso público e nem da implantação do piso salarial recomendado pela FENAM. Faltou gestão e planejamento. A escala ( não fantasma !!!! ) só é preenchida com plantões extra.  Às vezes, fazemos 4 anestesias para neurocirurgias em um só dia . São geralmente anestesias muito demoradas .

Os profissionais necessitam receber seus honorários rigorosamente em dia.

E não sabemos ainda de quem é a responsabilidade do  pagamento dos plantões extras realizados no T Maia. Estado ou Município ?   

Colocar somente um profissional ( anestesiologista )  por turno  é um verdadeiro massacre para os pacientes. Caso isso ocorra, o Estado ( Munícipio/Estado ) irão ser RESPONSÁVEIS pelo maior sofrimento e morte dos pacientes. São muitos, muitos pacientes graves. Este hospital tem o perfil de atendimento exclusivo do paciente  de Urgência e Emergência ( Trauma ).

E agora querem improvisas ou aproveitar a “ oportunidade “ para realizar cirurgias eletivas de urgência no Tarcisio Maia. Um verdadeiro disparate.

Enfrentamos enormes dificuldades técnicas: falta manutenção dos aparelhos de  anestesia e monitores que são utilizados ininterruptamente. Às vezes  falta anestésicos para opções de uso em pacientes graves. Há geralmente um amontoado de pacientes na sala de recuperação aguardo vagas inexistentes.

Em numerosas situações, os pacientes permanecem na própria sala de cirurgia durante dias, porque não tem respirador ( máquina utilizada para respiração mecânica ) disponível ou vaga na recuperação da anestesia ou mesmo na UTI. Meses sem uma simples dedetização das salas de cirurgias.

Os valores remuneratórios são diferentes para os médicos de Natal e os de Mossoró. Deve ser porque os médicos de Natal são fenomenais e os de Mossoró menos capacitados.

As  campanhas ( propositais, arquitetadas ) para denegrir a imagem do anestesiolgoista foram para tentar afastar a incompetência estatal. Ponto biométrico  para uns  e outros não. O que melhorou no tocante a  atendimento após a implantação do ponto. O hemocentro não tem ponto digital e no Tarcisio tem. Não tivemos conhecimento de anestesiologista fantasma!  A instalação de centenas de câmeras  no hospital foi com qual finalidade mesmo ??  Será que era para editar vídeos  dos pacientes internados nos  corredores ( conforto, privacidade total ) De que adianta tanta tecnologia desnecessária e atendimento desumano.

E parece que aquela ampliação do T Maia foi tão rápida que nem percebemos:  Enfermarias, UTI, Restaurante, Lavanderia, uma ampla ala para centenas de internamento. Tudo funcionando perfeitamente.   Será inaugurada na véspera da eleição??

O Estado determinou critérios diferentes para alguns atendimentos  na especialidade Ortopedia.

O paciente que comprova que reside em Mossoró e tem diagnóstico de fratura é internado para ser cirurgiado em caráter eletivo no T Maia (não pode haver cirurgia eletiva no T Maia). Um outro paciente com o mesmo tipo de fratura, porque reside em outro Município  (ex. Município: Rafael Fernandes) recebe o primeiro atendimento e é colocado num  sistema de espera cruel e próprio para produzir sequelas. Volta para sua residência e aguarda ser chamado para ser operado em Natal.  Sabe  quando??? E o SUS não é o mesmo?? E o paciente não é do RN??!!!

Todavia acreditamos nas pessoas e temos esperanças de dias melhores. Confiar é preciso, mas deve haver um tempo razoável e hábil para as soluções.

Provavelmente não aceitaremos mais fazer plantões extras restando apenas os servidores anestesiologistas após o dia 15 de janeiro. Os diretores dos hospitais já foram comunicados sobre este simples fato. Estranhamente os pagamentos são suspensos ou não existem e as autoridades não tem a consideração de pelo menos emitir um comunicado.

A solução para o grave problema caminhará através do Estado ou da Prefeitura?

Duas importantes reunião foram agendadas:

09/01/2014         Prefeitura Municipal de Mossoró x CAM

11:00 Prefeitura Municipal de Mossoró

Existe uma grande expectativa em relação as atitudes do atual Prefeito Francisco José Junior. Desejamos que este Prefeito realize uma administração que priorize a Saúde. Pareceu inicialmente com excelentes intenções. 

10/01/2014         SESAP  – Anestesiologistas – Ortopedistas

11:00 Hospital Regional T Maia

Esperamos que o representante da Governadora venha para corrigir distorções no tocante ao pagamento de plantões de Natal e Mossoró e que informe sobre cronograma de pagamentos. Evidentemente esperamos que o mesmo apresente a solução para a realização de cirurgias ortopédicas em local que não seja o Hospital T Maia.

Os profissionais da CAM estão sempre dispostos as negociações e diálogos,  visando uma perfeita e harmoniosa relação Gestores e Anestesiologistas,  sem prejuízo para os pacientes. Deverá paralelamente haver   garantia dos legítimos direitos fundamentais  e interesses profissionais. Necessitamos de soluções sensatas, justas e possíveis emergencialmente.

Diante das intenções  contratuais manifestadas,  esperamos apenas que as partes cumpram as suas obrigações apresentando garantias.

Lamentavelmente, às vezes precisamos tomar decisões difíceis, mas para o Estado,  a nossa atitude não tem nenhum significado.

Esta é apenas uma síntese da preocupante situação  da Saúde publica de Mossoró.

Clinica de Anestesiologia de Mossoró
Todos da CAM ( Ronaldo Fixina Barreto – Alberto Mouzinho Nunes Soares – Edilson da Silva Junior – Lana Lacerda de Lima – Marcela Alves Lima Abrantes – Elumar Pereira da Silva – Francisco Charles Raulino – Manoel Ferreira Sobrinho – Antonio Nei Nogueira Martins Junior – João Evangelista Chaves de Freitas – Enox de Paiva Junior – João Marcelo Brasil Pinheiro Duarte – Valmiro Anunciato da Silveira – João Torres Pinto )