Sobre Anestesiologia

ANTES  DA CIRURGIA

O QUE É ANESTESIOLOGIA?
Popularmente chamada de anestesia, a Anestesiologia é uma atividade médica que reúne Ciência, Arte e Conhecimento e que consiste em evitar a dor de um paciente que será submetido a uma intervenção cirúrgica .
Ela é fundamentada em técnica especializada, destreza manual, profissionalismo e profundo respeito pelo ser humano que existe em cada paciente.
Só um médico especializado na área e legalmente autorizado pode exercer  a anestesiologia.
A administração de uma anestesia é um ATO MÉDICO que só pode ser executado por um profissional registrado no Conselho Regional de Medicina.  

QUEM É O ANESTESIOLOGISTA?
O ANESTESIOLOGITA é um médico, formado pelas  Faculdade de Medicina, reconhecidas e credenciadas pelo Ministério da Educação. Ele é treinado através de cursos específicos, com muitas horas de aulas teóricas e práticas. A Sociedade Brasileira de Anestesiologia – através de programas e curso de pós graduação de 2 ou 3 anos intensivos – gradua o Especialista em Anestesiologia – E A.
Além de médico especializado, ele é seu amigo. Está capacitado a ouvi-lo e a esclarecer  tudo que você precisar e quiser saber.
Converse com ele, abertamente. Fale de suas dúvidas, peça orientação e siga seus conselhos.
    
COMO O PACIENTE DEVE SE PREPARAR PARA A ANESTESIA?
O anestesiologista faz parte de uma equipe que concentra as informações médicas a respeito do paciente.
É importante que o paciente e sua família conheçam o anestesiologista com antecedência. Há, ainda, a possibilidade de que o médico anestesiologista tenha seu consultório próprio como no caso da ClÍNICA DE ANESTESIOLOGIA DE MOSSORÓ que concentra diversos profissionais desta especialidade  em um só local.
De qualquer maneira, conte sua história ao anestesiologista: seus hábitos, questões médicas de saúde, medicamentos que você tomou ou toma, reações alérgicas a medicamentos e experiências anteriores com o uso de anestésicos. Não deixe de perguntar quais são os exames de laboratórios necessários, horários de internação e jejum. Lembre-s: a água está incluída no jejum.
Não deixe de pedir esclarecimento e orientação sobre o tipo de anestesia a que você deverá ser submetido. Isso lhe dará mais segurança e tranqüilidade.
Informe ao médico anestesioslogista se você tem, ou já teve, doenças como asma, diabetes, hipertensão, insuficiência cardíaca ou infarto do miocárdio.
Raros são os medicamentos que precisam temporariamente, ser suspensos, antes da cirurgia. Quem decide isso é o seu anestesiolgista. Se o paciente usa alguma droga ilegal, como cocaína, crack, maconha, faz uso de estimulantes ou anabolizantes, ou ainda é portador de doença infecto-contagiosa, ele não deve deixar de falar com o anestesiologista sobre isso . Como médico, ele tem obrigação legal de guardar segredo profissional , não só sobre esse assunto, como sobre qualquer outro.
Quanto mais informações você der, melhor.
Com todas as informações a seu respeito, juntos, o anestesiologista e o cirurgião, terão melhores condições de realizar seus  trabalhos com sucesso.

 

O DIA DA CIRURGIA

COMO É A VISITA DO ANESTESIOLOGISTA NO DIA DA CIRURGIA?
Os pacientes, na maioria, chegam ao hospital no dia da cirurgia, às vezes, sem realizar uma consulta pré-anestésica. Esse tipo de rotina não é saudável. O ideal  é que o paciente ao chegar ao hospital já tenha realizado a sua avaliação pré-anestésica. O contato com o profissional é realizado previamente. As exceções são as cirurgias de urgência e emergência.
Se a cirurgia é marcada com antecedência, não se justifica a não realização da consulta pré-anestésica – conheça o seu anestesiologista. Assim, o profissional já deve ter os resultados dos exames necessários , solicitados por ele mesmo ou pelo cirurgião. Mesmo assim, o anestesiologista fará uma avaliação geral do estado de saúde física e emocional do paciente.
Ás vezes, ou dependendo da avaliação do anestesiologista, há necessidade de uma medicação pré-anestésica, até para diminuir o nível de ansiedade do paciente.

O PACIENTE PODE ESCOLHER O TIPO DE ANESTESIA?

  Quem decide é o anestesiologista,  a partir das avaliações clínicas realizadas no paciente.
Ele explicará ao paciente, ou a alguém de sua família, o motivo de sua escolha com bases em conhecimentos técnicos e científicos.  Todavia, existe um diálogo e o profissional está preparado para escolher a melhor técnica para o paciente. O paciente tem autonomia para recusar determinadas técnicas anestésicas.
O paciente poderá ser submetido a:
Anestesia Local – uso de anestésico local, aplicado somente no local da cirurgia.
Anestesia Regional – uso de anestésico local em área de abrangência maior em relação à região do corpo onde será realizada a cirurgia (ex. raquianestesia para cirurgia de varizes)
Anestesia Geral  - o paciente fica inconsciente. Pode ser aplicada por via intramuscular, endovenosa ou inalatória (através da respiração , o anestésico é inalado e entra no organismo pelos pulmões).

 

DURANTE A CIRURGIA

QUANDO O PACIENTE PODE FICAR ACORDADO OU NÃO?
Na anestesia local ou regional, o paciente pode ficar acordado ou não. Em cirurgias rápidas em pacientes calmos, não há necessidade de ficar inconsciente.
Em cirurgias mais longas ou em pacientes mais nervosos, é comum a utilização de sedação, ou seja, o paciente ficará dormindo durante a cirurgia, mas sempre com o seu anjo da guarda ao seu lado – o anestesiologista.

QUANTO TEMPO DURA UMA ANESTESIA?

O tempo de duração de uma anestesia deverá ser proporcional ao tempo projetado para a intervenção cirúrgica.
O anestesiologista poderá manter a anestesia por quanto tempo for necessário, através da administração do anestésico, sem interrupção.

COMO É FEITO O CONTROLE DO PACIENTE PELO ANESTESIOLOGISTA?

O Anestesiologista controla todas as funções vitais do paciente tais como:

  1. Nível de consciência;
  2. Pressão arterial, freqüência cardíaca, coloração da pele e das mucosas, volume sanguineo circulante, níveis de oxigênio e gás carbônico no sangue;
  3. Volume respiratório, freqüência respiratória, concentração do oxigênio nos pulmões;
  4. Volume urinário;
  5. Atividade muscular;

Também é função do anestesiologista diagnosticar e monitorar, constantemente, a situação do paciente durante a cirurgia e contribuir para que o cirurgião se ocupe, exclusivamente, em realizar a cirurgia.
DURANTE A ANESTESIA O ANESTESIOLOGISTA PODE SE AUSENTAR DA SALA ?
Não se deve esquecer que a segurança do paciente está condicionada à permanente vigilância . Por isso, o médico anestesiologista não sai da sala durante uma cirurgia.
O anestesiologista é responsável pela técnica da anestesia, e, portanto, tem que controlá-la, utilizando-se dos diferentes tipos de monitores e instrumentos que permitem constante avaliação clínica do paciente.
Nenhum anestesiologista deve comprar equipamento para ficar transportando de um hospital para outro. (prática ultrapassada)  O hospital tem obrigação de disponibilizar todos os monitores e equipamentos necessários  para a boa prática médica.

 

DEPOIS DA CIRURGIA

COMO É A VOLTA DO PACIENTE À  CONSCIÊNCIA E A SENSIBILIDADE APÓS A ANESTESIA?
O anestesiologistaa deve observar o paciente até que tenham terminados todos os efeitos relacionados com a anestesia administrada.
Para isso, há um setor especial, onde a maioria dos pacientes permance após a anestesia e a cirurgia – a Sala de Recuperação Pós Anestésica – ( RPA ) onde o paciente será observado de maneira continua
SALA DE RECUPERAÇÃO É SINÔNIMO DE COMPLICAÇÃO ?
NÃO. A Sala de Recuperação Pós Anestésica, permite que o paciente tenha sua pressão arterial, freqüência cardíaca, respiração e nível de consciência observados em intervalos regulares.
O tempo que o paciente fica da Sala de Recuperação Pós Anestésica tem por finalidade observar a resposta da anestesia em relação ao tratamento instituído. Desta forma, é traçado um esquema eficaz para o combate a qualquer dor no pós –operatório.
Na Sala de Recuperação o paciente vai ficar até o médico verificar  um quadro de total estabilidade de sua circulação, respiração, nível de consciência e regressão da anestesia.
Alguns pacientes, considerados graves ou submetidos a cirurgias mais complexas, podem passar pela Sala de Recuperação e ser encaminhados para os centros de tratamento intensivo – CTI . O anestesiologista levará o paciente até o CTI onde uma equipe médica fará seu acompanhamento.
QUANDO O PACIENTE PODE SER LIBERADO PARA CASA SEM INTERNAÇÃO?
No caso de pós operatório de pacientes submetidos a cirurgias ou procedimentos ambulatoriais, o paciente tem alta hospitalar com segurança , após permanecer na sala de recuperação  por um período de observação.. O paciente e seu acompanhante são instruídos em relação a sinais e sintomas que podem ocorrer no pós operatório.
A indicação da realização de procedimentos ambulatoriais tem normas próprias, por isso nem todas as operações podem ser programadas desta maneira.
Após a alta hospitalar , não deixe de consultar seu anestesiologista sobre quaisquer dúvidas e ocorrência no seu pós operatório e no período de recuperação. O anestesiologista sempre está disposto a esclarecer suas dúvidas. Se precisar ,não deixe de procurá-lo.

 

CONVERSANDO COM O SEU ANESTESIOLOGISTA

QUAL O CUSTO DE UMA ANESTESIA?
É muito, muito importante que o paciente tenha conhecimento de que o valor do honorário do anestesiologista  depende da complexidade e duração do procedimento e NÃO ESTÁ VINCULADO A CONTA HOSPITALAR E NEM AOS HONORÁRIOS DO CIRURGIÃO.
Caso o paciente seja classificado como particular  (sem convênio) ele receberá uma cobrança com o valor total do procedimento anestésico. Esse valor é referenciado através de um padrão mínimo e ético de remuneração dos procedimentos – Classificação Brasileira Hierarquizada de Procedimentos  com suas instruções gerais e valores . A CAM, se assim o paciente o desejar, emite um recibo ou Nota Fiscal quando o pagamento for efetuado.
Os anestesiologista da CAM não permitem pagamentos através do hospital, em virtude de forte entraves burocráticos.
Se o paciente possui Plano de Saúde (Convênio) deve verificar se o seu plano tem contrato com a CAM, observando sempre as regras, exceções e condições em relação ao pagamento dos honorários da anestesia.
E muito saudável que o paciente se informe antecipadamente (mais uma importância da Consulta Pré Anestésica), pois existem divergências na forma de cobertura destes honorários a depender do convênio. Existe caso em que o paciente, mesmo com internamento autorizado pelo convênio, não tem cobertura da anestesia.

COMO É FEITA UMA AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÈSICA E AONDE?
É  uma consulta onde o anestesiologista faz uma investigação completa das condições clínicas do paciente (estado de saúde), suas atividades físicas, a sintomatologia da doença atual, além de solicitar alguns exames ou avalia os exames já solicitados. Investiga uso de medicamentos, alergias, etc, etc, e histórias relacionadas com anestesias anteriores. Anota-se em ficha especifica: Pressão Arterial, Frequências cardíaca e respiratória, Peso, etc, etc Essa avaliação pré-anestésica deve ser feita PREFERENCIALMENTE fora do hospital e 48 horas antes da cirurgia. Aqui é a oportunidade de conhecer o seu anestesiologista.

DEVO ME ALIMENTAR BEM PARA REALIZAR UMA ANESTESIA?
Você receberá detalhadamente e escrito toda a orientação sobre o jejum pré-anestésico, que é de extrema importância para a segurança do paciente. Existem variações no tocante as rotinas que dependem da idade do paciente e do tipo de alimentação.

USO TODA A MINHA MAQUIAGEM NO DIA DA CIRURGIA?
Não é recomendável o uso de esmaltes, maquiagem, lentes de contato e nenhum tipo de cosméticos.
Não é aconselhável levar jóias para o hospital. Quando for conduzido para o centro cirúrgico não use prótese dentária.
Conduzir sempre todos os exames pré-operatórios.
Não deixe de tomar sua medicação habitual exceto se o médico anestesiologista recomendar.

ESSA ANESTESIA TEM RISCO?
Evidentemente que sim. Reduzem os riscos: a escolha do hospital e da equipe cirúrgica (incluindo o anestesiologista). Todavia, existem os riscos inerentes as condições clínicas do próprio paciente.
O seu anestesiologista deverá permanecer junto a você durante toda a cirurgia. Isso também reduz os riscos do procedimento (um anjo da guarda sempre ao seu lado).

TENHO QUE CONSENTIR ( AUTORIZAR ) MINHA ANESTESIA?
Atualmente o Conselho Federal de Medicina, recomenda que o paciente (ou representante) assine um termo de consentimento esclarecido antes da anestesia. O paciente recebe  esclarecimentos,  dentro do seu nível de discernimento, e informações sobre os riscos. O paciente está ciente dos procedimentos anestésico e cirúrgico.

PARA UMA CIRURGIA AMBULATORIAL DEVO IR SOZINHO AO HOSPITAL?
Nunca deve ser administrada uma anestesia sem que o paciente tenha um acompanhante responsável no hospital (não é um acompanhante dentro do centro cirúrgico).
Neste dia, após o procedimento anestésico, o paciente não deve dirigir, operar máquinas, nem assinar nenhum tipo de documento.

Idades:
Alimentos sólidos, leite e derivados Liquido sem resíduos
< 6 meses 4h (leite materno) 2 horas
0 a 36 meses 6h (leite artificial ou fórmulas) 2 horas
>36 meses/adulto 8h (leite de origem animal e derivavados) 2h para crianças e 3h para adultos

Liquido sem resíduos: chá, água, café,gelatina, suco sem polpa, sem açúcar e sem adoçante que não seja de soja.

QUAL O PRINCIPAL OBJETIVO DA CONSULTA PRÉ-ANESTÉSICA?
Entrosamento (humanização , aproximação)  entre o profissional anestesiologista e o paciente e/ou seu familiares, tentando esclarecer todas as dúvidas no tocante  ao ato anestésico: pré, durante e pós-anestésico.

TENHO QUE TOMAR MEDICAÇÃO PRÉ ANESTÉSICA?
Às vezes. A medicação pré anestésica pode constar de um tranqüilizante (sedativo) administrado na noite que antecede a cirurgia e/ou algumas horas antes de deixar a enfermaria. Depende do nível de ansiedade do paciente.
A confiança no anestesiologista, às vezes  substitui doses de ansiolíticos.